SobreEscrita

julho 24, 2009

Uso de algarismo romano no noticiário

Filed under: Uncategorized — sobreescrita @ 3:30 pm

Eduardo Martins, autor do Manual de Redação e Estilo do Estadão, a meu ver um dos melhores manuais de redação da imprensa brasileira – e digo um dos melhores porque não conheço todos os demais – afirma que só se deve usar algarismo romano nos seguintes casos:

  • Para designar reis, papas, nomes oficiais de clubes ou associações, antigos Exércitos brasileiros e os atuais Comandos Aéreos Regionais.
  • Para transcrever leis e documentos oficiais.

 Nos demais casos, como nos seguintes exemplos, Martins sugere que sejam mantidos algarismos arábicos:

 Séculos, capítulos, guerras, governos, planos, projetos, usinas, naves espaciais, zonas, distritos, regiões, festas, feiras, congressos, conferências, competições esportivas, entre outros eventos.  

Martins, E. (1997).  O Estado de S. Paulo. Manual de Redação e Estilo. São Paulo: Editora Moderna.

Fica aí dica: se vamos divulgar um evento científico cujo nome é grafado com algarismo romano, em nossas comunicações com a imprensa é melhor transformá-lo para algarismo árabico.

Anúncios

julho 14, 2009

Como usar o termo “a partir de”

Filed under: Uncategorized — sobreescrita @ 4:51 pm

Frequentemente encontro a locução “a partir de” em situações em que poderia ser substituída, com mais clareza, por outros termos como, por exemplo, “com base em”, “pelo”, “pela”, “em”.  Na próxima vez quem você se sentir tentado a usar a referida expressão, dê uma olhada na dica do Eduardo Martins, autor do Manual de Redação e Estilo de O Estado de São Paulo, a qual transcrevo a seguir.

 Partir. 1 – Cuidado com a locução a partir de, que significa apenas a começar de,  a datar de (repare que existe uma idéia de continuidade): O presidente da associação vai exercer o mandato a partir do dia 1º. / As inscrições estarão abertas a partir de segunda-feira. / O mundo se tornou mais liberal a partir da Revolução Francesa. 2 – Se a ação for definida no tempo, não se poderá usar a partir de. Assim: As inscrições começarão na próxima semana (e não “a partir de”). / As aulas serão reabertas em fevereiro (e não “a partir de”). 3 – Como marca o início de alguma coisa no tempo e no espaço, é errado também usar a partir de em casos como: O time ensaiou várias jogadas “a partir de” (com) bola parada. / Livro conta a história recente do País “a partir” (com base em) pesquisas doIbope. / “A partir das” (pelas) avaliações, a sociedade ficou sabendo para onde vai o seu dinheiro. (pp.213-214).

 Martins, E. (1997). O Estado de São Paulo: Manual de Redação e Estilo. São Paulo: Editora Moderna.

maio 25, 2009

Estratégias de Skinner para estimular a própria escrita

Filed under: Uncategorized — sobreescrita @ 1:27 am

Pessoal,

Estou compartilhando aqui o artigo de Skinner (1987). How to discover what you have to say: A talk to students, em que o autor conta algumas de suas estratégias para estimular o próprio comportamento de escrever. Não tive tempo de fazer uma leitura rigorosa da trdução, portanto quaisquer contribuições, seja para a tradução ou para melhoria do texto em português, serão bem-vindas.

O texto é longo. Mas vale muito a pena a leitura.

Como descobrir o que você tem a dizer: uma conversa com estudantes[1]

B.F. Skinner

 Meu título servirá como um esboço. Começa com “Como”, e isso é “Como” conversar. É sobre um problema que todos nós enfrentamos, e a solução que proponho é um exemplo de autogestão verbal (verbal self-management), um exemplo que usa meu Verbal Behavior como base de uma tecnologia. A questão é como podemos dirigir nosso próprio comportamento verbal mais eficientemente. 

(Devo notar de passagem que psicolingüística, um tipo muito diferente de análise, largamente estrutural e desenvolvimentista, não tenha feito surgir tecnologia comparável, em parte porque devota-se muito freqüentemente ao ouvinte em vez de ao falante.)

 Comportamento verbal começa quase sempre na forma falada. Mesmo quando escrevemos, usualmente falamos primeiro, seja encoberta ou abertamente. O que é colocado em papel é então um tipo de autoditado. Meu interesse aqui é apenas com o comportamento escrito, inclusive com um tipo especial, o tipo de escrita fundamental em um artigo acadêmico, uma tese, um livro, em uma área como a análise do comportamento. Sobre o quê  “é” tal escrita é difícil dizer – sem dúvida, esse é exatamente o problema. Certas circunstâncias complexas exigem ação verbal. Você tem uma folha de papel e uma caneta: o que acontece depois? Como chegar à melhor narrativa possível?

Quero dizer como você faz para “pensar” sobre essas circunstâncias, para “ter idéias” sobre elas? Sim, se esses termos forem definidos apropriadamente. No último capítulo de Verbal Behavior, argumento que pensamento é simplesmente comportamento, e pode não ser inapropriado dizer que respostas verbais não expressam idéias, mas são idéias elas mesmas. Elas são o que “nos ocorre” quando consideramos um conjunto de circunstâncias. Se eu tiver esquecido a chave da minha casa e “ocorre-me” olhar sob o tapete, não foi uma idéia que me ocorreu, mas sim o comportamento de olhar, e ele ocorreu porque em circunstâncias semelhantes eu havia encontrado a chave sob o tapete ou tinha ouvido alguém dizer, “a chave está sob o tapete”. O que respostas verbais “expressam” não são idéias pré-verbais mas história passada e circunstâncias atuais do falante. Mas como iremos chegar à mais efetiva expressão? Como podemos nos comportar verbalmente em uma maneira que seja mais relevante a um problema em mãos?

É difícil oferecer um “como” falar sem fazer-se passar por uma autoridade. Apresso-me em dizer que eu sei que poderia escrever melhor do que o faço, mas também sei que poderia escrever pior. Ao longo dos anos acredito ter analisado meu comportamento verbal em minha vantagem. O que me angustia é que eu tenha feito isso tão tarde. Possivelmente algo do que aprendi possa ajudá-lo mais cedo.

 “Descobrir”

A próxima palavra-chave em meu título é “descobrir”. Se essa palavra sugere que o comportamento verbal subjaz dentro de nós esperando para ser descoberto, esse é um termo ruim. Nós não realmente “procuramos em nossa memória” por nomes esquecidos. Comportamento verbal, como todo comportamento, não está dentro do falante ou escritor antes de aparecer.

O primeiro passo é colocar-se na melhor posição possível para se comportar verbalmente. La Mettrie[1] pensou que tinha evidências sustentáveis para sua discussão de que homens são máquinas. Ele não podia pensar claramente quando estava doente. (Freud, por outro lado, disse que ele podia escrever apenas quando experienciava certo desconforto.) Certamente muitos escritores têm testemunhado a importância da dieta, exercício e descanso. Descartes, um dos heróis da psicologia, disse que ele dormia dez horas toda noite e “nunca empregava mais que algumas horas por ano para aqueles pensamentos que exigiam compreensão… Tenho consagrado todo o resto da minha vida para o relaxamento e o descanso.” Boas condições físicas são relevantes para todo o tipo de comportamento efetivo mas particularmente para aquela forma sutil que chamamos de verbal.

Imagine que você irá tocar em um concerto de piano amanhã à noite com uma orquestra sinfônica. O que você fará entre agora e lá? Você irá para a cama cedo para uma boa noite de descanso. Amanhã pela manhã talvez você pratique um pouco, mas não demais. Durante o dia você irá comer levemente, tirar um cochilo, e de outra forma tentar colocar-se na melhor condição possível para seu desempenho à noite.

Pensar efetivamente sobre um conjunto de circunstâncias complexas requer mais esforço do que tocar um piano, no entanto, com que freqüência você se prepara para fazê-lo de uma forma situação semelhante? Muito freqüentemente se senta para pensar depois de tudo o mais ter sido feito. Você é encorajado a fazer isso pela metáfora cognitiva do pensamento como expressão de idéias. As idéias estão lá; o escritor é simplesmente um repórter.

Que dizer sobre drogas? Álcool? Tabaco? Maconha? Existem autênticos casos sobre seus efeitos produtivos na poesia e ficção, mas muito poucos em que eles tenham tido bom efeito em pensamentos sérios. Tácito disse que os alemães tomam suas decisões quando bêbados, mas agiam sobre elas quando sóbrios e Heródoto disse o mesmo dos persas. Em outras palavras, pode ser possível resolver um problema intelectual quando bêbado ou chapado, mas apenas se a solução for revista sobriamente. A despeito de muita conversa sobre a consciência expandida, continuam faltando bons exemplos de trabalho produzido com ajuda de drogas.

Tanto para a condição de seu corpo. Igualmente importantes são as condições em que o comportamento ocorre. Um lugar conveniente é importante. Ele deve ter todas as facilidades necessárias para a execução da escrita: caneta, máquina de escrever, gravador, arquivos, livros, mesa e cadeira confortáveis. Deve se um lugar agradável e deve cheirar bem. Suas roupas devem ser confortáveis. Uma vez que o local deve ter controle sobre um tipo particular de comportamento, você não deve fazer mais nada nele em nenhuma outra hora.

Será útil escrever sempre na mesma hora do dia. Obrigações marcadas freqüentemente trazem problema, mas uma hora ou duas podem normalmente ser encontradas cedo pela manhã – quando o telefone nunca toca e ninguém bate a porta. E é importante que você escreva alguma coisa, independente de quantidade, todo dia. Como diziam os romanos, Nulla dies sine línea – nenhum dia sem uma linha. (eles falavam sobre linhas desenhadas por artistas, mas a regra aplica-se bem ao escritor.)

Como resultado de tudo isso, o cenário quase automaticamente evoca comportamento verbal. Não é necessário aquecimento. Desenvolve-se um ritmo circadiano que é extremamente poderoso. Cada dia a certa hora, você estará altamente disposto a engajar-se em comportamento verbal sério. Você encontrará evidências disso quando viajar para outros fusos horários, quando uma forte tendência a engajar-se em comportamento verbal sério aparecer, como no tempo usual, embora seja agora um tempo diferente pelo relógio.

Pode ser um erro tentar fazer demais inicialmente. Tal situação apenas retarda a aquisição do controle. É suficiente iniciar com sessões curtas, talvez 15 minutos ao dia. E não espere qualidade instantânea. Stendhal uma vez ressaltou, “se quando eu era jovem eu estivesse disposto a falar sobre querer ser escritor, alguma pessoa sensível pudesse ter dito para mim: ‘escreva por duas horas cada dia, gênio ou não’. Isso poderia ter salvado dez anos de minha vida, estupidamente perdida em querer ser gênio.”

Como você deveria gastar o resto do dia? Usualmente você terá pouca escolha, visto que outras demandas têm de ser atendidas. Mas existe usualmente algum tempo para lazer, e uma regra fundamental é tentar não escrever mais. Talvez você brinque com mais algumas palavras, mas pagará o preço na próxima manhã. Os gregos falavam em eutrapelia – o uso produtivo do lazer. Uma pequena experimentação irá revelar o tipo de diversão que maximiza sua produtividade subseqüente.

Há uma exceção à regra contra o escrever fora de sua mesa. O comportamento verbal pode ocorrer-lhe em outros momentos do dia, e é importante registrá-lo em forma durável. Um caderno de notas ou um gravador de bolso é um tipo estudo portável. Alguma coisa você vê, ouve, ou lê enfatiza, leva a algo relevante, e você tem de agarrar a oportunidade (catch it on the wing). Anotar um breve lembrete para desenvolver o ponto mais tarde raramente é suficiente, porque as condições sobre as quais isso ocorre para você são as melhores condições para escrever um relato adicional mais tarde. Uma anota mais longa escrita no momento [momento em que ocorre] freqüentemente irá desenvolver-se em algo que você perderia se a escrita fosse deixada para depois. A primeira coisa que ocorre a você pode não ser a resposta mais importante em uma dada situação, e escrever uma nota dá chance a outro comportamento verbal de emergir.

À medida que as notas forem se acumulando, podem ser classificadas e rearranjadas, e elas fornecerão alguns dos mais importantes materiais para seus artigos ou livros. Um dos meus artigos mais amplamente reeditados e traduzidos “Freedom and the Control of Men,” foi primeiramente escrito quase completamente na forma de notas. Quando fui solicitado um artigo sobre esse tema, descobri que foi uma escrita prática. Notas restantes podem, claro, ser publicadas em um notebook, como descobri recentemente. A metáfora da descoberta redime a si mesma nesse ponto. Quando você tiver construído as condições melhores possíveis para a produção do comportamento verbal e preparou-se para agarrar ocasionais respostas verbais pela frente (catching occasional verbal responses on the wing), você será freqüentemente surpreendido pelo retorno. Não existe uma maneira pela qual você possa ver todo o seu comportamento verbal antes de emiti-lo [grifo acrescentado].

Não estou falando sobre como encontrar algo a dizer. O jeito mais fácil de fazer isso é coletar experiências, como movimentar-se pelo mundo ao redor e pela leitura e escuta daquilo que outros dizem. Uma educação superior (college education) é largamente um processo de coleta nesse sentido. Assim, como, claro, é exploração, investigação, ou uma completa exposição à vida diária. Nem estou falando sobre produção de idéias por meio da permutação e combinação de outros materiais. Um tipo muito diferente de idéia é gerado, por exemplo, jogando-se com contradições e antônimo. O jovem Marx era adito: “O mundo torna-se filosofal é ao mesmo tempo filosofia torna-se mundana,..” “Que o racional é real é provado até na contradição da realidade irracional que está em todo os pontos a oposição a que isso proclama, e proclama o oposto do que é.” História teria sido resolvida há muito tempo em superstição, mas agora podemos resolver superstição em história.“ Suponho que Marx pensou que estava descobrindo algo que valia a pena ser dito, e o jogo verbal sugeriu profundidade, mas isso é uma prática perigosa.

 “Você”

 A próxima palavra-chave é “você.” Quem é o você [grifo acrescentado] que tem alguma coisa a dizer? Você é, claro, um membro da espécie humana, absolutamente único geneticamente a menos que você tenha um irmão gêmeo idêntico. Você também tem uma história pessoal que é absolutamente única. Sua identidade depende da coerência dessa história. Mais de uma história ao longo da vida leva a múltiplos eus (selves), nenhum dos que possa ser dito ser o seu real. O escritor de ficção aproveita-se da multiplicidade de eus na invenção de um personagem.

 Nós também exibimos diferentes eus quando vigorosos ou fatigados, amáveis ou raivosos, e assim por diante. Mas continua significante perguntar-se o que você tem a dizer sobre um dado tópico como um indivíduo. O você que você descobre é o você que existe sobre um período de tempo. Ao rever o que você já escreveu, voltando-se sobre suas notas, trabalhando novamente em um manuscrito, você mantém seu comportamento verbal vigoroso em sua história (não em sua mente!), e você estará então mais propenso a dizer tudo o que você tem de dizer com respeito a uma dada situação ou tópico. Obviamente, isso não será simplesmente o que você leu ou ouviu. É fácil conseguir livros de livros de outras pessoas, mas não serão seus livros.

 “Ter de dizer” I

                As últimas três palavras-chave de meu título são “Ter de dizer” e elas têm pelo menos três significados. O primeiro é o comportamento verbal que eu acabei de identificar – as coisas que nos referimos quando perguntamos a uma pessoa: “Que você tem a dizer sobre isso?” Estamos simplesmente perguntando “ Qual é seu comportamento verbal com respeito a isso?”

 “Ter de dizer” II

Um segundo significado é o que você tem a dizer (have to say) no sentido de ter de dizer (must say). Normalmente é fácil distinguir entre coisas que queremos fazer daquelas que temos de fazer para evitar as conseqüências de não fazê-las, quando ter de refere-se ao controle aversivo. Um exemplo familiar é uma pausa numa conversação que tem de ser preenchida e isso leva, quase sempre, a comportamento verbal trivial – o tempo, as últimas notícias, o que alguém está vestindo.  É também uma ocasião para um discurso rápido, sem rigor gramatical, (ungrammatical), ou sem sentido, ou revelador de lapsos. Sentimos muito dessa pressão aversiva quando, digamos, prematuramente exaurimos nossas notas durante uma hora de exposição. É ai que tendemos a tomar emprestado comportamento verbal de outros e recorrer a clichês ou frases ou sentenças que simplesmente matam o tempo (“É interessante notar que…” “Deixe-nos agora voltar ao…”).

Os resultados nem sempre são ruins. Muitos escritores famosos trabalharam principalmente sobre pressão aversiva. Balzac escreveu apenas quando precisava de dinheiro, Dostoiévski apenas em retorno a adiantamentos que havia recebido. Controle aversivo pode mantê-lo no trabalho, mas o que você escreve estará permeado por outras variáveis, se tiver algo de bom. Além disso, é sob tais condições que escritores relatam que escrever é um inferno, e se você escrever primeiramente para se esquivar das conseqüências de não escrever, será difícil resistir a outras formas de fuga – parar para uma xícara de café, desnecessária releitura de alguma coisa já escrita, apontar lápis, encerrar o dia (calling it a Day). 

Talvez haja um elemento aversivo em manter um horário de trabalho que constrói um ritmo circadiano. Nem sempre é fácil acordar às cinco da manhã e começar a escrever. Ainda assim você cria o espaço em que você trabalha de forma tão atrativa que isso reforça seu comportamento de ir lá, talvez algum controle aversivo seja necessário. Mas outras variáveis têm de assumir o controle se alguma coisa que valha a pena tiver de ser escrita. Reforçamento positivo pode ser tão irresistível quanto o negativo [reforçamento] e é mais propenso a levar você a dizer o que você tem a dizer.

O maior reforço generalizado, dinheiro, é usualmente pobremente contingente ao comportamento [de escrever] em sua mesa. Controla de forma muito efetiva quando um escritor começa a escrever apenas o tipo de cosias que vende bem. Prestígio e fama também são conseqüências muito distantes inadequadamente contingentes a produção de sentenças. Mas progresso em direção a completude de um livro que possa levar a dinheiro ou prestígio e fama talvez possa ajudar, se o progresso se fizer claro. Algum tipo de registro do número de palavras ou de página que você escreve pode atuar como uma conseqüência reforçadora. Por anos, um relógio elétrico em minha mesa trabalhava apenas quando a luz estava ligada, e eu adicionava um ponto a um registro cumulativo sempre que o relógio completava 12 horas. A inclinação da curva mostrava-me quanto tempo eu havia despendido a cada dia (e quanto isso demandaria para eu sair para uma volta de conversação!) Um simples cálculo reforça o reforçador. Suponha que você fique em sua mesa duas horas por dia e produzam uma média de 50 palavras por hora. Não é muito, mas é cerca de 35 mil palavras em um ano, e um livro a cada dois ou três anos. Eu achei isso reforçador o suficiente.

Outras conseqüências imediatas são mais efetivas em descobrir o que você tem de dizer. Dizer alguma coisa pela primeira vez que o surpreende, esclarecer um ponto confuso, divertir-se com o que eu você escreveu quando ler isso novamente –  essas são as coisas que numa longa jornada são mais propensas a produzir comportamento verbal que seja propriamente seu. A melhor razão para gostar do que você escreveu é que isso diz o que você tem de dizer.

Uma audiência como uma fonte de reforçadores não deve ser menosprezada. Como afirmou Pascal, “existem aqueles que falam bem e escrevem mal. A ocasião, a audiência aquece-os e retiram deles mais do que eles encontrariam em si mesmos sem esse calor.” Escrever [o ato de] sempre sofre quando não é dirigido para um tipo particular de leitor. Tal como a escrita de uma carta para um amigo próximo, você poderá descobrir que uma foto é útil, ou pelo menos uma solução para o aquecimento no inicio da carta, da mesma forma alguns sinais visíveis de uma audiência podem ajudar. Ler o que alguém disse sobre você às vezes fortalece comportamento, desde que alguém raramente seja uma perda de palavra numa discussão calorosa (at a loss for words). Uma vez usei o livro The Physical Dimension of Consciousness, de E. G. Boring como instrumento de autogestão. Eu discordava de forma tão violenta da posição do autor que depois de ler uma página ou duas encontraria meu comportamento verbal muito forte. E um dia quando eu estava fazendo uma exposição para uma classe mas não estava falando bem, notei que o estudante havia trazido seus pais. Meu comportamento mudou dramaticamente sob a influência da nova audiência. Buscar boa audiência pode valer a pena.

Como aqueles que escrevem por dinheiro talvez possa começar escrevendo coisas que vendem em vez de escrever o que eles têm de dizer como indivíduos, também uma audiência pode ter um efeito muito forte. Uma vez dei o que era suposto ser a mesma exposição a 15 audiências. Usei uns bons slides que serviram de esboço, mas comecei a abreviar ou pular comentários que pareciam não despertar interesse e retive tudo que conduzia uma resposta bem definida ou uma risada. Próximo do fim da série tive de batalhar para dizer algo que valesse a pena.

Que o comportamento verbal é mantido por contingências predominantes está claro, pelo fato que a escrita mostra muitos efeitos de esquemas. Reforçamento em razão fixa freqüentemente produz um “efeito de bola de neve”: quanto mais próximo alguém chegue de terminar um trabalho, mais fácil será trabalhar nele (quando fácil significa que alguém trabalha sem se mover para escapar ou sem “forçar a si mesmo” a manter-se trabalhando). Escrever papers, artigos, ou histórias um após o outro “para viver” tende a ser em esquema de razão, e a “pausa pós-reforço” assume a forma de abulia, ou “não ser capaz de começar algo de novo.”

Existem muitas razões pelas quais você pode parar de escrever ou “acha difícil” continuar a fazê-lo. Quando algo não está indo bem, quando você não está dizendo algo de importante, quando o assunto continua confuso como nunca, a extinção começa a se estabelecer. Você pode continuar, mas apenas por causa das conseqüências aversivas que assumem o controle. Punição na forma de críticas freqüentes diminui a produção, um ponto não reconhecido pelos professores de composição que usam mais seu tempo apontando falhas no trabalho de seus estudantes.[2]

 Saciação também enfraquece comportamento. Muitos novelistas nunca contam uma história antes de escrevê-la. Da mesma forma que você não pode contar a mesma história para a mesma companhia uma segunda vez (ou pelo menos com o mesmo efeito!), também você estará menos propenso a conseguir sua novela escrita se você já tiver contado o enredo. Silêncio forçado é uma prática útil. Saciação também se estabelece quando alguém escreve mais ou menos pelo mesmo efeito novamente e novamente.

Também há um tipo de fadiga do assunto. Alguém começa a escrever em excelente condição mas finalmente torna-se “enjoado do assunto”. Uma solução é trabalhar em dois assuntos ao mesmo tempo. É mais fácil escrever pequenas seções de dois papers durante uma sessão do que destinar toda a sessão em um único [paper].

 “Ter de dizer” III

Um terceiro sentido de “ter de dizer” é o coração do assunto. Em um paper chamado “On ‘Having a Poem,” comparei um poeta a uma mãe. Embora a mãe dê a luz à criança e a chamemos sua criança, ela não é responsável por nenhuma de suas características. Ela deu a ele metade dos genes, mas obteve-os de seus pais. Argumento que a mesma coisa poderia ser dita do poeta. Críticos que traçam as origens e influências de um poema parecem acreditar, pelo menos com a extensão que eles podem explicar características de um poema apontando para a história verbal e não-verbal do poeta. O comentário de Samuel Butler de que “Uma galinha é simplesmente a maneira de o ovo fazer outro ovo” serve para o ovo humano, assim como para o poeta. Um poeta é um jeito literário tradicional de fazer mais tradição literária. (Muito do mesmo pode-se dizer de um acadêmico. Um psicólogo é apenas uma maneira psicológica de criar mais psicologia.) 

                Mas a mãe faz uma contribuição: ela alimenta, protege, e no fim dá à luz ao bebê e o mesmo faz o poeta, o mesmo faz o acadêmico. Há um processo de gestação verbal. Sua história como escritor necessita de estrutura e coerência do comportamento que finalmente emerge dela. Sentenças e parágrafos não subjazem dentro de você esperando para nascer. Você possui algum comportamento na forma de sentenças pré-fabricadas, e pode com freqüência fazer um pouco mais do que articulá-las como tais, possivelmente com mudanças menores, mas isso não é descobrir o que você tem a dizer. 

                Uma nova situação pode fortalecer dúzias – possivelmente centenas – de respostas verbais que nunca foram antes fortalecidas juntas ao mesmo tempo. Pode faltar-lhe [às respostas verbais] organização. Relações entre elas podem não ser claras. Elas terão pouco efeito sobre o leitor que não tenha a mesma história e não seja confrontado pela mesma situação. Elas têm, portanto, de ser ordenadas e relacionadas entre si de forma efetiva. É isso o que você faz quando você compõe sentenças, parágrafos e por último um livro. Apenas assim seu comportamento verbal levará a ações bem-sucedidas por parte de seus leitores ou menos ativa mas contínua “compreensão” verbal sobre o que você está dizendo.

Comportamento Verbal assumiu esses estágios em ordem. A primeira metade do livro descreve os tipos de operantes verbais produzidos por diferentes contingências de reforço. Embora sejam mais que estrutura, porque tem probabilidade de reforço, não é asserção. A segunda parte descreve como esses operantes se combinam em um efetivo discurso verbal enquanto eles são afirmados, qualificados, negados, e assim por diante, de tal forma que o leitor responda apropriadamente. O escritor assim gera sentenças como efetiva seqüência do material que emerge em uma dada ocasião.

Tenho achado as seguintes regras úteis em descobrir o que alguém tem de dizer nesse sentido.

Regra 1. Fique longe da prosa o máximo possível. O comportamento verbal evocado pelo cenário no qual você escreve não existe em forma de sentenças e se você começar pela composição de sentenças, muito será irrelevante para o produto final. Ao compor cedo demais você introduz certa quantidade de bobagens que mais tarde terão de ser jogadas fora. A parte importante do que você tem de dizer será manipulada mais fácil se ainda não tiver se tornado parte de uma sentença.

Regra 2. Indique relações válidas entre respostas, construindo um esboço. Folhas de papel muito grande (digamos, 22 por 34) são úteis. Seu produto verbal final (sentença, parágrafo, capítulo, livro) tem de ser linear – com pequenas subdivisões – mas as variáveis que contribuem para seu comportamento verbal são arranjadas em várias dimensões. Numerar as partes de uma composição em decimal ajuda a fazer referências cruzadas e índices temporários e notar conexões entre as partes. Um pouco de comportamento verbal é movido ao redor, arranjos válidos aparecerão e sentenças começarão a emergir. É a hora de “entrar na prosa.”

Regra 3. Construa o primeiro rascunho em prosa sem olhar muito para o estilo. ”Completa velocidade adiante, condena o livro de estilo.” (quão difícil isso será depende da extensão em que o controle aversivo foi usado para ensiná-lo a escrever). Quando o que você tem a dizer sobre um dado estado de coisas existe pelo menos em prosa, reescreva como queira, removendo palavras desnecessárias, articulando as sentenças com melhores conectivos, rearranjando quando necessário, e assim por diante.  Nesse estágio, alguns conselhos sobre estilo são úteis. Eu leio Modern American Usage, de Follett, de ponta a ponta a cada dois ou três anos.[3]

Existe uma velha distinção entre a composição extática (ecstatic) e eupática (euplastic) Existem horas em que o comportamento verbal extático (impulsivo, irracional) foi particularmente admirado, porque parecia mais genuíno, menos contido. Pode ser particularmente efetivo na poesia e em algumas formas de ficção. Mas ao escrever sobre um complexo assunto em questão, é demais esperar que as afirmações adequadas apareçam completamente formadas. O comportamento verbal não evoluiu nem filogenética nem ontogeneticamente a complexas combinações de história pessoal e situação corrente que façam emergir uma passagem que terá um efeito apropriado sobre o leitor. Apenas a mais habilidosa eupática (racional) gestão do comportamento verbal será capaz de fazer isso.

 Conclusão

 Possivelmente estou confessando alguma necessidade especial para muletas. Sem dúvida outras pessoas chegam mais rápido a uma afirmação efetiva. Elas não precisam trabalhar tão duro para dizer coisas importantes. Eu mesmo não precisei trabalhar tão duro quando era mais jovem. Estou dizendo-lhes simplesmente como sucedi para dizer o que eu tinha a dizer.  Claro que eu desejaria que tivesse tido mais o que dizer e que tivesse dito isso melhor, e desejaria poder dizer a você mais claramente o que aprendi sobre dizer isso, mas isso seria impossível dizer a você tudo o que você precisa saber. Duas pessoas não são semelhantes; sua história pessoal irá levá-lo a responder em diferentes formas. Você terá de trabalhar nas próprias regras. Como em minha aplicação da análise comportamental, o segredo da gestão bem-sucedida do próprio comportamento verbal é a compreensão sobre o que é comportamento verbal.

 Referência:

Skinner, B. F. (1987). How to discover what you have to say: A talk to students. In: Upon Further Reflection. NJ: Prentice-Hall.

 

[1] Skinner se refere ao escritor francês Julien Offroy de La Mettrie (1709 – 1751), autor de Homem-máquina.

[2] Vargas, J. S. (1978). A behavioral approach to the teaching composition. Behavior Analyst, 1, 16-24.

[3] Wilson Follet, Modern American Usage (New York: 1966). Nota do autor.

 


[1] Tradução: Maria de Lima Wang

maio 16, 2009

Próximo encontro

Filed under: Próximos encontros — sobreescrita @ 1:59 pm

Considerando-se a importância da audiência para o comportamento verbal, confomre Skinner (1957), na próxima oficina de escrita, cada participante deverá levar seu texto de introdução – ou esboço do texto – que deverá ser discutido entre colegas. O encontro será na terça-feira, dia 19, às 15h, na sala do LEHAC.

Até lá.

Abraço

Maria

Algumas referências relevantes para o comportamento de escrever

Filed under: Uncategorized — sobreescrita @ 1:45 pm

Como sugere Skinner (1987), dispor de material adequado faz parte das contingências facilitadoras do comportamento verbal. Aqui vai uma pequena seleção.

1) Skinner, B. F. (1987).How to discover what you have to say: A talk to Students.

2)Mandery, M.A. A. P. (2005). A comunicação da pesquisa: redação do relatório/dissertação.

3)  Barrass, R. (1978). Os cientistas precisam escrever – Guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes.

4) Publication Manual of the American Psychologigal Association ( Fifth Edition)., Knudson, M., Hening R. M. (2006). A Field Guide for Science Writers. New York: Oxford.

5) Deborah B., Knudson, M., Hening R. M. (2006). A Field Guide for Science Writers. New York: Oxford.

6) Garcia, O. M. (1988). Comunicação em prosa moderna – Aprenda a escrever, aprendendo a pensar. Rio de Janeiro: FGV.

7) Aprendendo com quem faz: Skinner_as_selfmanager

8) Algumas características da escrita científica

Segundo Barrass(1978):

“Escrever é parte da ciência. Não obstante, muitos cientistas deixaram de receber treinamento na arte de escrever. Há uma certa ironia no fato de ensinarmos nossos cientistas e engenheiros  a utilizarem instrumentos e técnicas, muitas dos quais jamais utilizarão em sua vida profissional, e, no entanto, não os ensinamos a escrever. Escrever é o que eles precisarão fazer todos os dias – como estudantes, como administradores, como executivos, como cientistas e engenheiros” (Barrass, p.4).

O autor critica a qualidade da literatura científica:

“A literatura científica provavelmente não seja [não é] pior que qualquer outra literatura, mas deveria ser melhor do que é. Um fenômeno espantoso é o fato de o cientista, que habitualmente conduz sua pesquisa em laboratório com maior refinamento e a mais elevada precisão de que a ciência é capaz, com tanta freqüência se dispor a publicar trabalhos açodadamente sem antes certificar-se de que suas afirmações se acham claramente expressas. Mais do que qualquer outro profissional, sem dúvida, o cientista tem a obrigação de escrever não apenas de maneira a fazer-se entendido como de modo a não ser mal compreendido”.

maio 15, 2009

Como escrever o que você tem a dizer

Filed under: Uncategorized — sobreescrita @ 1:36 am

 O Laboratório de Estudos Históricos em Análise do Comportamento (LEHAC) da PUC-SP, coordenado pela professora Maria do Carmo Guedes,  iniciou, no último dia 13 de maio, uma série de atividades sobre escrita científica.

Na abertura das atividades, discutiu-se o texto de Skinner (1987) How to discover what you have to say: A talk to students, em que o autor relata como dispunha contingências para estimular o próprio comportamento de escrever. O objetivo, com a apresentação do texto de Skinner, era fazer com que os participantes  refletissem sobre contingências atuando sobre o comportamento verbal deles, espeficialemente os comportamentos envolvidos na escrita de uma introdução de um projeto de pesquisa. E, a exemplo de Skinner (1987), discutir formas que possam facilitar o comportamento desses participantes de escrever.

A discussão sobre o texto de Skinner acabou se estendendo além do planejado. Concordou-se em continuar os trabalhos na próxima terça-feira, dia 19 de maio, a partir das 15h, quando cada participante da atividade deverá levar um texto –  esboço de texto – de própria autoria para ser discutido entre colega.  

Clique aqui para ter acesso à apresentação do texto de Skinner.

Blog no WordPress.com.